Search
Close this search box.

Associação de proteção veicular com faturamento de R$ 500 milhões por ano é investigada por fraude

A Polícia Federal deflagrou a terceira fase da Operação Seguro Fake, na manhã desta terça-feira, 27, com o objetivo de desarticular empresas que exploram ilegalmente o mercado de seguros sob a indevida denominação de associações de proteção veicular. O modelo associativo não permite a venda de seguros, segundo a lei brasileira.

Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, sendo três em Belo Horizonte, um em Lagoa Santa/MG e outro no Rio de Janeiro/RJ. Todos os mandados são contra a mesma empresa, atuante no mercado ilegal de seguros, e foram expedidos pela 3ª Vara Federal Criminal da Justiça Federal em Belo Horizonte. Um desses mandados foi cumprido na sede da empresa, localizada na capital mineira, onde foram apreendidos computadores, planilhas e outros documentos.

A associação, alvo da operação, é uma das maiores do Brasil, vendendo ilegalmente seguros em todos os estados da Federação. Estima-se que essa Associação, comandada por um casal de Belo Horizonte, tenha mais de 100 mil clientes e cerca de 500 funcionários.

Ficou comprovado que vários clientes dessa empresa, indevidamente chamados de “associados”, não obtiveram indenizações quando da ocorrência de sinistros com seus veículos.

A associação possui centenas de queixas no Procon e em sites de reclamações de consumidores. Dentre as principais, estão: o não pagamento de indenização por perda total, a péssima qualidade das oficinas credenciadas, a não permissão de uso do serviço de reboque, a não cobertura em veículos de terceiros, entre outras.

É importante lembrar que os donos dessa associação de seguro ilegal montaram um grande esquema de lavagem de dinheiro com o fito de direcionar parte dos valores do rateio pago pelos “associados” para eles mesmos.

De acordo com as investigações, essa arquitetura criminosa tem sido copiada e replicada por todas essas associações que comercializam seguro falso, fazendo que parte do dinheiro pago pelos clientes vá para os donos da associação.

Estima-se que o faturamento seja de mais de R$ 500 milhões por ano. Como uma “associação” não pode distribuir lucro a seus Diretores, os donos dessa, de proteção veicular, constituíram várias outras empresas satélites entorno dela. Assim, o dinheiro da associação era repassado para essas empresas como forma de pagamento de serviços tais como assistência 24hs, reboque, rastreadores, oficinas, entre outros. A forma de dissimular distribuição de lucros é, na visão da Polícia Federal, um indício de lavagem de dinheiro.

O corpo diretivo da Associação, que a fundou e arquitetou todo o intricado esquema de lavagem, tinha uma vida de luxo, com imóveis, carros e viagens internacionais. Ostentam um alto padrão de vida, inclusive nas redes sociais. Atualmente o casal que fundou e preside a associação vive na Flórida (Estados Unidos). A PF já está em contato com autoridades daquele para identificar o paradeiro do casal.

Os diretores e seus “laranjas” nas empresas satélites foram indiciados pelos crimes de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, crime contra as relações de consumo e por fazer operar instituição financeira sem autorização estatal. As penas cumuladas podem ultrapassar 20 anos de prisão.

Nas diligências desta terça-feira, 27, veículos, motocicletas, documentos e aparelhos celulares foram apreendidos. O inquérito policial será finalizado e seguirá para o Ministério Público Federal para oferta de denúncia junto à Justiça Federal em Belo Horizonte.

Entenda melhor

Essas “associações” são lucrativas empresas que se tornaram comuns nos últimos anos. Elas atuam na ilegalidade por não terem autorização do Estado para comercializarem seguro automotivo. A comercialização de seguro no Brasil deve ser autorizada pela Superintendência de Seguros Privados – SUSEP. Todavia, essas associações não possuem tal autorização, razão pela qual a SUSEP tem entrado com dezenas de ações civis públicas buscando barrar a prática ilegal, que tem se multiplicado principalmente em Minas Gerais.

O esquema de lavagem de capitais desarticulado, hoje, está muito comum nesse tipo de associação. Segundo a legislação civil brasileira, as associações não podem repartir lucros. Logo, os donos destas associações, verdadeiros empresários, criam empresas que orbitam em torno da associação com a finalidade de prestação de serviços a essa. A associação paga os serviços prestados a elas, que na verdade são de propriedade do próprio corpo diretivo da associação. Assim, eles podem repartir o lucro da associação, burlando o comando legal.

Há que se destacar, também, que as associações, independente do objeto de sua atuação, são isentas ao recolhimento de Imposto de Renda e da CSLL (Contribuição sobre o Lucro Líquido), desde que cumpram as regras legais estipuladas. Porém essa dispensa de pagamento de tributos conferida às associações pelo poder público é para aquelas que operam sem fins lucrativos, tais como associações de bairro, de categorias profissionais, clubes recreativos, entre outras.

Por essas razões, montar uma associação de proteção veicular tem sido um grande negócio ilegal, atraindo empresários e investidores. Esses esquemas fraudulentos iludem os cidadãos com promessas de cobertura inexistentes, inclusive por meio de veiculação de publicidade, estratégia de marketing agressiva e time de vendas por todo o Brasil.

Vários consumidores acabam optando pela contratação dessas organizações pelo fato de os preços serem mais baixos do que os das seguradoras tradicionais. Entretanto, quando é preciso utilizar os serviços da cobertura veicular é que surgem as “surpresas”. As oficinas são de má qualidade, não há a indenização de certos danos, encontra-se dificuldade em receber os valores e, ainda, quando acionado o Procon ou os Juizados Especiais, descobre-se que esses associados não são considerados consumidores pela lei brasileira e ficam em uma situação de desproteção.

O Procon de Minas Gerais tem feito diversos alertas nesse sentido também. O perigo é que, ao assinar um contrato de responsabilidade mútua, o cliente torna-se um associado e passa a dividir o risco com os demais membros da associação. É um seguro sem qualquer respaldo jurídico, de empresas que não são fiscalizadas pela Susep e não têm reserva técnica. Não se sabe como está a higidez financeira destas associações, nem se há dinheiro para pagar a cobertura prometida, não há qualquer fiscalização estatal. É muito comum que a associação simplesmente desapareça na hora em que o cidadão necessite usar a cobertura.

Vale ainda lembrar que, em maio de 2023, o Supremo Tribunal Federal considerou inconstitucionais leis estaduais que permitiam as Associações de Proteção Veicular – APV. No voto de um ministro daquela corte, foi destacado que já há uma jurisprudência pacífica sobre a atuação irregular das associações, tendo em vista as inúmeras ações propostas pelas Promotorias nos Estados e pelo MP Federal para impedir o desenvolvimento ilegal da atividade seguradora por tais entidades. A competência para legislar sobre seguro é exclusiva da União.

A Polícia Federal orienta aos clientes dessas associações que busquem informações sobre o que contrataram e, se possível, fiquem atentos ao fechamento dessas empresas para evitar prejuízos e insegurança.

IMG_20240522_151931
Mais três corpos são encontrados enterrados em praia de Balneário Arroio do Silva
WhatsApp Image 2024-05-22 at 17.51
Simulação de atendimento em acidente de trânsito é realizada em Criciúma
WhatsApp Image 2024-05-23 at 11.01
Comunicadores levam susto com princípio de incêndio durante programa de rádio ao vivo em Criciúma